DIA 18: Professores das escolas particulares de CG iniciam greve por tempo indeterminado

Segundo o SINTENP, o reajuste proposto pelo sindicato que representa os proprietários das escolas particulares, foi de R$0,23.

15 de Maio de 2018   

Foto: Imagem ilustrativa, assembleia do Sintenp.

Os professores das escolas particulares de Campina Grande se reuniram na manhã desta terça-feira(15) com as representantes da classe patronal, aonde realizaram uma mesa de negociação. Segundo o SINTENP(Sindicato dos Trabalhadores do ensino privado do Agreste da Borborema), o reajuste proposto pelo SINEPEC, sindicato que representa os proprietários das escolas particulares, foi de 1,8%, o que representa um aumento de R$0,23.

De acordo com a categoria a proposta de reajuste foi desrespeitosa, e “uma forma de deboche com os professores”. ” O Sinepec demonstrou desrespeito e debochou dos trabalhadores da rede privada de ensino, de forma autoritária, e nos minutos finais da negociação, os donos das escolas tentaram retirar as conquistas sociais do Sintenp”, frisou a nota divulgada nas redes sociais.

Segundo o Sintenp, com essa atitude, diversos direitos dos professores ficam ameaçado, entre elas:Retirada da “GRATUIDADE” na mensalidade para os filhos de professores; Parcelamento das férias em três vezes; Homologações de reduções de carga horária e demissões exclusivamente nas sedes das empresas; retirada de quinquênio, produtividade e descanso semanal e retirada de assembleias liberadas.

Após não haver avanço nas mesas de negociações, os professores vão iniciar uma greve por tempo indeterminado a partir da próxima sexta-feira(18). Até o presente momento, o SINEPEC ainda não se manifestou sobre a paralisação.

Redação