Pesquisar
Pesquisar
Close this search box.

Acusado de degolar homem com facão em Areial é condenado a 15 anos de prisão

O júri ocorreu nesta sexta (17), no Fórum Samuel Duarte em Esperança.

Publicado: 17/11/2023

FOTO: REPRODUÇÃO

O acusado de degolar com um facão o eletricista Ricardo Eustáquio Gomes foi condenado a 15 anos de prisão. Joaldo de Sousa Duarte da Silva cometeu o crime na cidade de Areial, no Agreste, na madrugada de 30 de maio do ano passado. A vítima foi degolada dentro do próprio carro.

O júri ocorreu nesta sexta (17), no Fórum Samuel Duarte em Esperança. O júri foi presidido pela juíza Paula Frassinetti Nóbrega de Miranda Dantas, e pelo promotor Ernani Lucas Menezes, do Ministério público. Na defesa do réu atuou o advogado Alípio Neto.

Quando deixou às dependências do Fórum escoltado pela polícia, pessoas que pediam justiça ecoaram gritos de “assassino, assassino, assassino, covarde, covarde, covarde”!

Entenda o caso

Na manhã do dia 30 de maio do ano passado o eletricista foi encontrado morto dentro do próprio veículo, em um loteamento na cidade de Areial. Ele foi degolado com um golpe de facão durante a madrugada. A arma do crime estava ao lado do carro com a lâmina completamente suja de sangue.

No dia 26 de junho, também do ano passado, a Polícia Civil prendeu Joaldo de Sousa que confessou o crime, mas não soube dizer o que motivou a ira contra Ricardo.

Em depoimento ele disse que bebia no bar onde estava Ricardo e por volta da meia-noite foi em casa, pegou o facão, retornou, mas não lembra por qual motivo teve a mudança repentina para tirar a vida do rapaz. Ele acrescentou que pegou o facão, se escondeu dentro do carro de Ricardo e o esperou. Quando a vítima chegou, a deixou ligar o carro que percorreu ainda uns 50 metros e depois aplicou o golpe por trás.

Após o crime deixou a arma ao lado do carro, foi para casa com as mãos sujas de sangue. Lá disse a mulher que tinha feito uma besteira, que tinha matado um rapaz com uma “facãozada”.

Joaldo contou ainda que não tinha amizade ou inimizade com a vítima, que a tinha visto Ricardo umas duas vezes e que tinha ingerido bebida alcoólica. 

Redação com Blog do Renato Diniz

COMPARTILHE AGORA

OUTRAS NOTÍCIAS