ABUSO DE AUTORIDADE: Servidora de Areial é impedida de entrar na Câmara com balancetes, é coagida por vereadores e registra B.O

A Secretária Vivineide foi até a Câmara, entregar os balancetes enviados pela prefeitura. Vereadores tomam os documentos, e servidora registra Boletim de Ocorrência

30 de janeiro de 2019   

Vivineide foi entregar os balancetes, e encontrou as portas da Câmara fechadas e com novas fechaduras

Não bastasse o fato da Câmara Municipal de Areial ter elegido ontem um presidente, sem comunicar ao atual, o legislativo do município passou por uma situação vexatória. Na tarde de hoje, a secretária da Câmara Vivineide, se dirigiu até a sede do legislativo, para levar os balancetes financeiros, como de costume em todo o final de mês.

A secretária foi impedida de entrar no local. Isso porquê, após ter “elegido” supostamente o vereador Marcos André (PSDB) presidente, as portas da Câmara de Areial amanheceram com novas fechaduras. Vivineide ficou do lado de fora esperando alguém aparecer com as chaves, para entrar e deixar os balancetes no arquivo da casa.

Entretanto, dois vereadores do município passaram de carro neste momento, e simplesmente recolheram os balancetes da secretária. “Que era quem tinha legitimidade para estar com eles”, apurou o Se Liga PB. Segundo informações, os vereadores que recolheram os balancetes foram Josinaldo Miguel (Josa) e Edvaldo de Lima (Aritana).

Momento em que os dois vereadores citados recolhem os balancetes, na frente da Câmara de Areial

“Eles simplesmente pararam o carro, coagiram a servidora, e levaram os balancetes com eles, como se fossem deles”, ainda apurou a nossa reportagem. Após o fato, a secretária Vivineide registrou um Boletim de Ocorrências, já que os balancetes estavam na responsabilidade dela.

A própria secretária nos relata que ao chegar na Câmara foi abordada pelos dois vereadores, ao qual desconfia que alguém percebeu a presença dela na frente e avisou a eles. “Eles vieram até a frente da Câmara e perguntaram se precisava dar recebido em algo. Eu respondi que não, e que estava aguardando a Câmara ser aberta para guardar os documentos”, narra a servidora.

“Ele me respondeu que a casa não seria aberta hoje, e me disse que eu poderia ir para minha Casa. Eu perguntei se poderia levar os balancetes, levando em conta que eu estava responsável pelos documentos e ele era vereador. Ele disse que iria levar com ele, mas expliquei que documentos oficiais só podem sair com protocolo registrado. Mas não agi de forma truculenta”, nos detalha Vivineide, que disse que após o caso procurou uma delegacia para registrar o Boletim de Ocorrências.

Até o momento, os vereadores citados na denúncia não se pronunciaram sobre o caso.

Redação