Diretor do Treze é condenado por estelionato e terá que devolver R$ 65,9 mil à União

Segundo a decisão, Fábio teria recebido de forma indevida o benefício especial para ex-combatentes militares em nome de sua avó que faleceu no ano de 2011.

26 de janeiro de 2018   

O diretor de futebol do Treze, Fábio Leonardo Medeiros de Azevedo, foi condenado pela prática de estelionato e precisará devolver R$ 65,9 mil aos cofres da União, de acordo com sentença da Justiça Federal em Campina Grande. Segundo a decisão, Fábio teria recebido de forma indevida o benefício especial para ex-combatentes militares em nome de sua avó que faleceu no ano de 2011.

Fábio terá o prazo de 15 dias para realizar a devolução do dinheiro. O diretor do Treze foi condenado pelo Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF5) pelo crime de estelionato majorado e foi aplicada a pena de 2 anos, 2 meses e 20 dias de reclusão. No entanto, a prisão foi substituída por restritiva de direitos e multa, estipulada em mais 600 dias-multa ao valor de 1/10 do salário mínimo a cada dia.

Os saques feitos por Fábio na conta da pensionista teriam começado após sua morte. Segundo a sentença, a Administração Militar após ser informada do falecimento da beneficiária deu início a investigações para descobrir o autor dos saques. O diretor do Treze ainda teria alegado que teriam sido feitos apenas quatro saques. No entanto, segundo informações colhidas pela Justiça Federal, foram feitos cerca de 30 saques, sendo que o primeiro foi realizado apenas 12 dias depois da morte da avó de Fábio.

Segundo a sentença, “o dolo é inequívoco, decorre da vontade livre e consciente de receber o benefício da avó falecida, com quem havia morado. A tese de que não tinha conhecimento de que os valores em conta seriam decorrentes do benefício é inverossímil, mormente porque, como ele mesmo declarou, foi o responsável por gerenciar as economias da avó no último ano de vida desta (que tinha sofrido um AVC e sofria do mal de Alzheimer), motivo pelo qual tinha induvidosa ciência da fonte do recurso”.

Click PB