“Eu não vejo motivos para votar em João”, diz vereador de Remígio

Segundo o vereador, o prefeito André Alves provavelmente não seguirá com o governador João Azevêdo, e diante da composição, o gestor se alinha mais ao pré-candidato a governador Pedro Cunha Lima.

Publicado: 09/05/2022

FOTO: RECORTE SE LIGA PB

O vereador de Remígio, Emerson Galvão (Rede), em entrevista ao Programa Se Liga PB, na manhã desta segunda-feira (9), disse que o governador João Azevêdo deixou a desejar e não ver motivos para votar nele.

“Eu não vejo motivos para votar em João”, declarou.

Ele comentou que de todos os pré-candidatos ao Governo do Estado, Pedro Cunha Lima (PSDB) seria uma boa opção.

“Olhando para o cenário, eu vejo Pedro como uma boa opção. Sangue novo, ideias novas”, afirmou.

Segundo o vereador, o prefeito André Alves provavelmente não seguirá com o governador João Azevêdo, e diante da composição, o gestor se alinha mais ao pré-candidato a governador Pedro Cunha Lima.

“Nessa composição eu acho que André se alinha mais a Pedro. Se ele não votar em João acho que seguirá por esse caminho”, disse.

O representante do legislativo municipal explicou que André ainda não divulgou o apoio para estadual, e que para federal o grupo seguirá com o deputado Dr. Damião Feliciano, assim como também Efraim Filho para o Senado.

Galvão ainda cotou que tem buscado fazer a diferença no município e executar seu mandato de uma forma que agregue, principalmente na área da Segurança Pública, e destacou que a segurança é uma das suas prioridades de luta, uma vez que, a criminalidade amedronta a população. Ele pontuou que os roubos diminuíram e a polícia tem realizado um trabalho muito importante na região, inclusive com prisões.

Emerson comentou sobre a atuação da Câmara Municipal e disse que após o rompimento do prefeito André com o deputado Chió, o gestor tem realizado articulações, com importantes adesões, ficando a situação com maioria na Casa.

Na ocasião o parlamentar municipal falou sobre a crise hídrica, e comentou a fala do governador durante a inauguração da Estrada de Cepilho, e criticou a falta de atenção e as promessas do governador João Azevêdo, que não resolve o problema, ficando a população à mercê da falta de água, dependendo de carro-pipa e comprando água de vasilhames.

“ A misericórdia de Deus é que não deixa o povo perecer. Com as chuvas dá para encher uma caixa de água, uma cisterna, um barreiro, porque se não fossem as chuvas, seria um colapso nas regiões afetadas”, ressaltou.

Redação

COMPARTILHE AGORA

OUTRAS NOTÍCIAS