Pesquisar
Pesquisar
Close this search box.

Justiça da Paraíba quer monitoramento de agressores de mulheres por tornozeleira eletrônica

O objetivo é aprimorar a fiscalização do cumprimento das medidas protetivas de urgência.

Publicado: 21/10/2023

FOTO: REPRODUÇÃO

A Justiça da Paraíba se reuniu nesta sexta-feira (20) com representantes da Segurança Pública para discutir uma resolução do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que orienta o uso de monitoramento eletrônico em casos de violência doméstica com medida protetiva de urgência. A reunião foi promovida pela juíza Anna Carla Falcão, uma das coordenadoras da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar do Tribunal de Justiça da Paraíba.

O encontro considerou o artigo 3º da Resolução nº 412/2021, do CNJ, que disciplina o uso da tornozeleira eletrônica para monitorar agressores com medida protetiva de urgência nos casos de violência doméstica e familiar. Segundo a resolução, o monitoramento tem o objetivo de aprimorar a fiscalização do cumprimento das medidas protetivas.

De acordo com a juíza, a reunião acontece após o crescente número de feminicídios na Paraíba e a necessidade de tomar medidas urgentes por parte dos órgãos competentes. Em apenas quatro dias, por exemplo, o estado registrou quatro feminicídios. Os crimes aconteceram entre 6 e 9 de outubro.

Participaram da reunião o comandante-geral da PMPB, coronel Sérgio Fonseca; a secretária estadual da Mulher e da Diversidade Humana, Lídia Moura; o secretário-executivo da Secretaria Estadual de Administração Penitenciária, João Paulo Ferreira Barros; e a coordenadora estadual da Patrulha Maria da Penha, Mônica Brandão.

“Uma dos encaminhamentos da reunião foi a disponibilidade do número de tornozeleira eletrônica, por parte da Secretaria Estadual de Administração Penitenciária. Também será criado um fluxo para detectar a aproximação do agressor em relação à vítima. Caso isso aconteça, a Polícia Militar será, imediatamente, acionada, com o possível flagrante daquele agressor, que estará incidindo no crime de descumprimento de medida protetiva”, explicou Anna Falcão.

A secretária da Mulher e da Diversidade Humana, Lídia Moura, também participou da reunião e afirmou que a medida precisa ser aplicada com mais vigor na Paraíba.

“Estamos caminhando para ampliar essa possibilidade de modo que na maioria dos casos, os agressores possam também ser barrados por esse instrumento. Além da medida protetiva da mulher, o uso de tornozeleira eletrônica, que é uma garantia que o agressor se manterá afastado”, afirmou Lídia Moura.

Por g1 PB

COMPARTILHE AGORA

OUTRAS NOTÍCIAS