Pesquisar
Pesquisar
Close this search box.

Mãe e avó, suspeitas de vender pornografia infantil, são liberadas da prisão e advogado alega erro de investigação: “presas injustamente”

Mãe e avó foram presas em janeiro sob suspeita de vender imagens íntimas de uma criança de 11 anos. Advogado afirma que foram injustiçadas.

Publicado: 19/04/2024

As duas estavam no Presídio Júlia Maranhão, em João Pessoa. (Foto: Reprodução)

O advogado Luis Pereira, que defende duas mulheres presas em janeiro sob suspeita de vender imagens íntimas de uma criança de 11 anos, garante que houve falha na investigação. A prisão das suspeitas, mãe e avó da criança, aconteceu durante uma operação da Polícia Civil da Paraíba contra abuso sexual infantil.

“Elas estavam sendo acusadas de vender imagens pornográficas. O processo segue em segredo de Justiça. Tivemos a investigação, que foi conduzida de maneira falha. Desde os primeiros momentos havia informação de que a mãe e a avó não eram autoras do comércio de imagens pornográficas. A própria menor disse isso”, iniciou o advogado.

Ele ressaltou que o inquérito induziu ao magistrado a ideia de que elas deveriam ser presas. “Tivemos a oportunidade de contradizer todas as provas. Elas não foram ouvidas ainda e já temos uma sinalização de que o fato não se deu como os investigadores concluíram. Tivemos duas pessoas inocentes presas e que estão tendo a sua liberdade restabelecida neste momento. Estamos revelando as verdades dos fatos, para que diante da preliminar o Judiciário as tenha colocado em liberdade”, afirmou.

Luis Pereira ressaltou ainda: “Vamos esperar o trânsito em julgado, buscar absolvição e se for o caso buscar indenização do Estado. Tivemos o linchamento público nas redes sociais. Alerto o quanto isso é perigoso. O julgamento do tribunal da internet é muito perigoso”, disse.

Segundo ele, há dez anos houve um linchamento no qual uma mulher foi confundida com outra que fazia magia negra. Essa mulher, como observou o advogado, foi encontrada e linchada até a morte. Depois descobriu-se que era inocente.

“Precisamos tratar isso com muito cuidado. Houve uma falha grande e grave na implicação da autoria. A mãe e a avó não praticaram nenhum crime. O inquérito já mostrava evidências disso. Não posso me calar diante de um erro de investigação que prende duas pessoas injustamente”, completou.

Entenda o caso

De acordo com a Delegacia de Crimes Cibernéticos (DECC), a investigação apontou que as familiares, mãe e avó da criança, filmavam a criança sem roupa, mostrando as partes íntimas e vendiam os conteúdos. Na época em que foram iniciadas as investigações, em 2022, a vítima tinha 11 anos.

Com ClickPB

COMPARTILHE AGORA

OUTRAS NOTÍCIAS