Pesquisar
Pesquisar
Close this search box.

Mentor da ‘Barbárie de Queimadas’ tem prisão mantida após audiência de custódia no RJ

Eduardo dos Santos vai continuar preso no Presídio de Benfica, no município do Rio de Janeiro. O criminoso foi recapturado na terça-feira (19), em Rio das Ostras, após mais de três anos foragido.

Publicado: 21/03/2024

FOTO: REPRODUÇÃO

Eduardo dos Santos Pereira, mentor da “Barbárie de Queimadas”, teve a prisão mantida nesta quinta-feira (21) após audiência de custódia, realizada pela Justiça do Rio de Janeiro na Central de Audiência de Custódia de Benfica. Não houve decisão sobre a transferência de Eduardo para a Paraíba, isso vai acontecer em um outro momento.

O delegado Diego Beltrão, da Delegacia de Repressão ao Crime Organizado (Draco-PB), responsável pela prisão do criminoso na quarta-feira (19) em Rio das Ostras, afirmou que a Polícia do Rio de Janeiro informou que a transferência de Eduardo não foi apreciada durante a audiência de custódia. De acordo com o delegado, o tema deve ser submetido a vice-presidência do TJRJ, que tem competência para julgar a transferência.

Segundo o delegado, Eduardo chegou a passar mal durante a audiência e foi encaminhado a um hospital para atendimento médico.

O acusado vai permanecer preso no Presídio José Frederico Marques, mais conhecido como Presídio de Benfica, no Rio de Janeiro.

O criminoso fugiu da Penitenciária de Segurança Máxima Doutor Romeu Gonçalves de Abrantes de João Pessoa, conhecida como PB1, no dia 17 de novembro de 2020. Eduardo trabalhava na cozinha e quando um policial penal esqueceu um molho de chaves no local onde o detento trabalhava, ele pegou as chaves, abriu o almoxarifado e saiu pela porta lateral do presídio.

A “Barbárie de Queimadas” aconteceu em 2012 quando cinco mulheres foram brutalmente estupradas durante uma festa de aniversário, por homens que elas consideravam serem seus amigos. Entre elas estavam Izabella Pajuçara e Michelle Domingos, mortas de forma violenta porque, durante os estupros, identificaram os agressores.

Eduardo foi condenado a 108 anos e dois meses de prisão. Ele foi considerado culpado por dois homicídios, formação de quadrilha, cárcere privado, corrupção de menores e porte ilegal de arma, além dos cinco estupros. Por estes crimes, ele foi condenado a 106 anos e 4 meses de reclusão. Além disso, ele recebeu uma pena de 1 ano e 10 meses de detenção pelo crime de lesão corporal de um dos adolescentes envolvidos no crime.

Por g1 PB

COMPARTILHE AGORA

OUTRAS NOTÍCIAS