“Ao invés de contratar uma organização social, contratou uma organização criminosa”, diz Cartaxo sobre escândalos da Cruz Vermelha

O prefeito de JP sugere que o governador João Azevêdo encerre o contrato com a Cruz Vermelha, e chama a OS de “organização criminosa”

8 de fevereiro de 2019   

“O governo ao invés de contratar uma organização social, contratou uma organização criminosa, e faz um contrato perto de R$ 1 bilhão, durante esse período todo”. Esse foi o tom das declarações do prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo(PV), ao comentar os escândalos de desvios milionários dos contratos da Cruz Vermelha, em administração de hospitais do estado.

Segundo Cartaxo, os valores dos contratos são muito expressivos, levando em conta que a empresa citada na investigação “não tinha nenhuma qualificação” em trabalho hospitalar, anteriormente, além de que o contrato foi firmado sem realizar licitação.

“Imagine o que é fazer um contrato de mais de R$ 1 bilhão. Acho que o governo do estado tem que refletir muito isso”,destaca Luciano, sugerindo que o governador João Azevêdo(PSB) cancele imediatamente o contrato com a Cruz Vermelha. “Como é que o governo insiste em manter um contrato com uma empresa, aonde está instalada uma verdadeira quadrilha/organização criminosa? E isso é o Ministério Público que está dizendo, e não sou eu”, criticou.

Cartaxo lembrou que as denúncias dão conta que pessoas, no mês de Agosto saiam da Paraíba para outros estados, no período eleitoral, buscar “dinheiro desviado da Cruz Vermelha para jogar numa campanha eleitoral”. “Nós vamos avaliar isso com toda atenção e cuidado os desdobramentos desse processo todo, porque está em jogo mais que uma questão eleitoral, mas a saúde do povo paraibano”, disse o gestor à Rádio Correio FM.

“É lamentável que o governo ao invés de contratar uma organização social, contrate uma organização criminosa”, finalizou Luciano Cartaxo.

Redação