Bruno Faustino diz que Romero vai antecipar escolha do sucessor em CG, e completa: “Seus candidatos foram derrotados nas urnas”

O vereador campinense diz que o resultado das urnas na cidade, demonstra que “Romero não tem mais a força política” de antes

28 de dezembro de 2018   

Vereador de Campina Grande, Bruno Faustino(PSB), na Caturité FM. (Foto: Rafael Augusto)

Em entrevista à Rádio Caturité FM, nesta sexta-feira(28), o vereador de Campina Grande, Bruno Faustino(PSB), fez um balanço de suas atividades parlamentares e analisou o cenário político na cidade para 2020. O socialista discorreu sobre a estratégia do prefeito Romero Rodrigues(PSDB), que já afirmou que anuncia o seu sucessor no Carnaval de 2020. “O prefeito querendo antecipar as eleições, preocupado mais com o nome, para ter visibilidade e fazer seu sucessor”, analisou.

Sobre o lado da oposição, Bruno diz que terá mais tempo de discutir a escolha do nome. “Mais importante que o nome é o projeto”, sublinhou, frisando que o nome que terá o apoio do futuro governador, João Azevêdo(PSB), tem uma linha de trabalho clara. “Não adianta você ter um nome, que não tenha nada a oferecer, que traga os benefícios que a sua cidade ou estado precisa”, diz, relembrando que nas eleições deste ano as lideranças de oposição desdenhavam do candidato João Azevêdo.

“Eles esqueceram que o PSB tinha e tem um projeto. Enquanto eles tem apenas nome, nós temos projeto”, complementa, reforçando que o grupo político que faz parte tem um projeto. Sobre colocar o nome à disposção do grupo, Bruno deixa claro que sua prioridade é a reeleição, mas não descarta. “Sou marinheiro de primeira viagem, meu nome está posto para a reeleição, mas quando o soldado recebe uma missão você tem que cumprir”, frisa.

Sobre o resultado das eleições deste ano, que não foi favorável para o prefeito Romero Rodrigues(PSDB), ele diz que os votos que o candidato apoiado pelo tucano, Lucélio Cartaxo(PV), foi bem abaixo da média. “Em Campina Grande, o nosso candidato e hoje governador João Azevêdo teve praticamente um empate técnico, com a chapa do prefeito. Porque seis mil votos de diferença é quase um empate técnico”, afirma, dizendo que o nome de Romero não tem toda a força de outras momentos políticos.

“A população começa a enxergar que as promessas feitas pelo prefeito, não foram entregues. É como se já estivesse em fase de divórcio”, disse, relembrando que o prefeito colocou sua esposa para compor a vice de Lucélio. “Ele colocou sua esposa na chapa, e a população de Campina Grande, certamente, reprovou”, finalizou Bruno Faustino.

Redação