Dias depois da polêmica gerada pela médica Adriana Melo Câmara aprova projeto que beneficia crianças com microcefalia

O projeto foi de autoria do executivo

3 de outubro de 2017   

Foto divulgação do Diário de Pernambuco.

A Câmara Municipal de Campina Grande aprovou nesta terça-feira (03), o Projeto de Lei 556/2017, de autoria do Poder Executivo, que implanta o Programa de Benefício de Prestação Continuada – (BPC), destinado aos responsáveis pelos portadores de microcefalia que moram em Campina Grande. O projeto visa dar uma bolsa mensal às famílias que, comprovadamente, não possuem condições de manutenção.

Recentemente a médica Adriana Melo, conhecida pelas pesquisas na área da microcefalia e da relação da doença com vírus Zika, “detonou” os vereadores da base do prefeito. Em um vídeo publicado nas redes sociais, a médica criticou os vereadores que não foram favoráveis a uma ajuda de custo direcionada ao IPESQ – Instituto de Pesquisa Professor Joaquim Amorim Neto, de Campina Grande.

Relembre o caso: VIDEO: Médica conhecida pela relação do vírus Zika e microcefalia comenta que vereadores de CG rejeitaram ajuda de custo para IPESQ

Um dos vereadores contra a propositura, Lucas Ribeiro (PP), explicou que o projeto apresentado era inconstitucional, pois a câmara não poderia gerar esse tipo de despesa ao executivo. A mesma opinião foi fundamentada pelo vereador Renan Maracajá (PSDC), que pontuou que a oposição quis apenas polemizar o assunto de acordo com a indignação da médica.

Sobre o projeto apresentado e aprovado nesta terça, o prefeito Romero Rodrigues (PSDB), ressaltou a colaboração da prefeitura em várias ações de apoio aos portadores de microcefalia. “A Prefeitura Municipal cria uma ala específica no Instituto de Saúde Elpídio de Almeida (ISEA) e no Centro Especializado de Reabilitação (CER) para atendimento e tratamento das crianças”, divulgou.

Ainda de acordo com Romero, a prefeitura tem destinado unidades habitacionais no Complexo Aluízio Campos para os familiares e criado o Centro Dia, um espaço para acolher os familiares dos portadores que fazem acompanhamento multidisciplinar em Campina Grande.

Da redação.