Líder da oposição avalia os seis primeiros meses de Bruno como apático: “Ainda tô esperando começar pra avaliar”

Anderson ainda pontua que enquanto Bruno gasta R$ 18 milhões com recapeamento, a população campinense passa fome

15 de julho de 2021   

Vereador Anderson “Pila”. (Foto: Renato Araújo)

O vereador e líder da oposição em Campina Grande, Anderson Almeida “Pila”, do Podemos, fez a sua avaliação dos seis primeiros meses da gestão do prefeito Bruno Cunha Lima(PSD). Pila, durante entrevista à Cariri FM, classificou a gestão como apática, e que na opinião dele, ainda nem começou para ser avaliada.

“Ainda tô esperando que entre, que esse governo inicie para gente poder avaliar. É um governo apático, que ainda não se iniciou, e que graças a algumas pessoas competentes que tem, e conseguem dar uma aparência a um governo que não começou. Em algumas áreas é bem assessorado, e dão uma aparência de algo está sendo feito, mas eu não vejo isso”, disse o parlamentar.

Anderson, pegando três pontos que a prefeitura anunciou que pretende aumentar os investimentos (Saúde Básica, Educação e Transportes). “Quando o próprio prefeito analisa, que a sua gestão, não anda bem, nesses três pontos fundamentais; acaba reconhecendo que ainda tem muito o que trabalhar, porque nesses três pontos ele nem começou ainda o governo”, sublinhou.

“O transporte público de Campina é muito ruim, até ontem estava em greve, funcionando apenas 30%, numa época de pandemia. Quanto mais você restringe o número de ônibus circulando, mais pessoas vão se aglomerar e propagar mais a doença, em uma cidade onde os postos de saúde funcionam de forma precária[…] E quando chega em Educação, aonde vemos os relatos dos kits que estão sendo distribuídos nas escolas, isso por si só já diz tudo”, opinou o vereador.

O vereador foi um dos que defendeu a ocupação dos movimentos sociais na cozinha comunitária do Jeremias, e diz lamentar, num momento em que as pessoas estão passando fome, o prefeito Bruno gastar mais de R$ 18 milhões só com recapeamento. Segundo ele, só esse valor, foi gasto só com uma construtora: A Rocha Cavalcante.

“A população de Campina Grande sofre muito com a fome, nos bairros a necessidade é muito grande, e o ímpeto do prefeito, nesse início de mandato, foi apenas com recapeamento e pavimentação, chegando a gastar R$ 18 milhões, com apenas uma empresa, a Rocha, e esquecendo de dar alimento ao povo”, denunciou.

Redação