Servidores da PMCG tem se apressado para dar entrada na aposentadoria, diz presidente do IPSEM

Segundo o dirigente, um dos motivos é a reforma da previdência, que está sendo discutida e votada no Congresso Nacional esta semana.

10 de julho de 2019   

Presidente do Instituto de Previdência Municipal de Campina Grande, Antônio Hermano. (Foto: Renato Araújo – Se Liga PB)

O presidente do Instituto de Previdência Municipal de Campina Grande, Antônio Hermano, disse, em entrevista ao RC Notícias, da Rádio Caturité FM, que o número de servidores da PMCG querendo dar entrada nas suas aposentadorias tem crescido nos últimos meses. Segundo o dirigente, um dos motivos é a reforma da previdência, que está sendo discutida e votada no Congresso Nacional esta semana.

Antônio tranquiliza quanto aos servidores que tem se apressado, acrescentando que muitos que tem o seu direito adquirido, não serão afetados pelo novo regime previdenciário. “Não precisa correr porque não vai atingir. Só quem está com expectativa de direito. Isso é um direito adquirido”, pontuou.

Para ilustrar, Hermano deu o seguinte exemplo: Uma mulher que tem 30 anos de contribuição e 55 anos de idade ela já tem um direito adquirido, não entrando na regra da idade mínima, conforme está sendo previsto na nova previdência. Já o homem que tem 35 anos de contribuição, e 60 de idade, já implementou o tempo mínimo.

“Mesmo com a aprovação não atinge, porque é um direito adquirido. Isso é uma regra pétrea de toda constituição, no mundo inteiro. As pessoas não devem, assodadamente, se comprometer a não buscar a aposentadoria de forma assodada, para não correr o risco de perder alguma gratificação”, explicou, pedindo calma aos servidores da PMCG que estão dando entrada na aposentadoria.

Redação