Sindicalista alerta que cidades abastecidas por Boqueirão podem voltar ao racionamento em Maio

De acordo com as declarações do presidente do STIUPB, essa possibilidade é real, se o bombeamento das águas da transposição do São Francisco para o açude não voltar.

6 de novembro de 2019   

Wilton Maia Velez, presidente do STIUPB. (Foto: Renato Araújo- Se Liga PB)

Durante entrevista ao RC Notícias, da Rádio Caturité FM, o presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Industrias Urbanas da Paraíba(Stiupb), Wilton Maia Veléz, alertou sobre a possibilidade do mês de Maio de 2020 Campina Grande e mais 19 município abastecidos pelo Açúde Epitácio Pessoa(Boqueirão), podem voltar ao sistema de racionamento.

De acordo com as declarações dadas nesta quarta-feira(06), do sindicalista, essa possibilidade é real, se o bombeamento das águas da transposição do São Francisco para o açude não voltar.”Digo isso baseado em número que calculamos. Se continuar essa perda por consumo, por evaporação, açude Epitácio Pessoa vai entrar em colapso. A saída, inevitavelmente, é a transposição ou as chuvas, só que o nosso ciclo de chuvas já passou”, explicou Wilton, destacando que hoje o açude se encontra com 17% de sua capacidade.

O presidente do STIUPB diz que é preciso o reservatório voltar a ter sua recarga com as águas da Transposição, para que o abastecimento seja normalizado. Wilton apoiou uma iniciativa por parte de vereadores campinenses, que anunciaram que vão apresentar esse pleito durante a visita do presidente da República, Jair Bolsonaro(PSL), no próximo dia 11 de Novembro, durante a cerimônia de entrega das casas do Complexo Habitacional Aluísio Campos.

O sindicalista disse que se reuniu com o prefeito Romero Rodrigues(PSD), na sede da entidade, para discutir a possibilidade da municipalização dos serviços de água e esgoto na cidade. Wilton diz que tanto a gestão municipal como estadual querem discutir o assunto. “O prefeito Romero se mostrou à disposição, nós também, a gestão do estado também, e esperamos que haja uma solução viável, que atenda tanto as reivindicações da Prefeitura Municipal de Campina Grande, como do povo da Paraíba”, sublinhou.

Redação