Situação se agrava e alguns hospitais já estão sem leitos de UTI para pacientes com Covid

Levantamento do CRM alerta que, mesmo com ampliação dos leitos, ocupação hospitalar continua alta

17 de março de 2021   

UTI de Hospital /Foto: Ilustrativa da Internet

Dados levantados pelo Conselho Regional de Medicina da Paraíba (CRM-PB) nessa terça-feira (16) mostram que, mesmo aumentando a quantidade de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Covid, a ocupação continua alta em todas as regiões do estado, principalmente na Grande João Pessoa e no Sertão. De acordo com o ‘Censo Hospitalar’, em alguns hospitais todos os leitos já estão ocupados.

Na Região Metropolitana de João Pessoa, foram analisados números de seis hospitais públicos: Prontovida, Santa Isabel, Clementino Fraga, Metropolitano, Frei Damião I e HULW. A taxa de ocupação de UTI adulto era de 92%, havendo 16 leitos disponíveis. Nos últimos 11 dias, estes hospitais aumentaram em 30% a quantidade de leitos, subindo de 155 para 202. Foram instalados mais 49 leitos nestas unidades, mas a taxa de ocupação manteve-se a mesma.

Nos dois hospitais privados consultados, Unimed e Nossa Senhora das Neves, houve aumento de 21% na quantidade de leitos de UTI neste mesmo período. O número subiu de 85 para 103, mas, mesmo assim, a ocupação ainda se mantém alta: 90% no Nossa Senhora das Neves e 80% na Unimed. Os dados do ‘Censo Hospitalar’ mostram que até essa terça-feira havia 10 leitos de UTI ainda disponíveis na Unimed e cinco no HNSN.

Interior do estado

De acordo com o CRM-PB, a situação no Sertão é ainda mais crítica e preocupante: 94% de ocupação de leitos de UTI. Em três hospitais regionais da região, situados em Patos, Cajazeiras e Pombal, a ocupação de leitos de UTI atingiu 100% nessa terça-feira. Apenas o Hospital Regional de Piancó estava com 86% de ocupação na UTI, mas a unidade possui apenas sete leitos: seis ocupados e um disponível.

O Regional de Patos que recebeu mais oito leitos de UTI, passando de 26 para 32, já está com todos ocupados. Em Cajazeiras são 13 leitos e todos ocupados e, em Pombal, há seis leitos instalados, sem nenhuma vaga disponível. Conforme o ‘Censo Hospitalar’ do CRM-PB, havia ainda três leitos disponíveis na UPA de Cajazeiras. Dos quatro instalados, apenas um estava ocupado.

Em Campina Grande, a taxa de ocupação dos leitos de UTI adulto estava em 85% e apenas o Hospital Pedro I apresentou uma ocupação abaixo de 80%. Esta unidade tem 60 leitos de UTI instalados e estava com 43 pacientes internados na terça-feira. Já o Hospital de Clínicas, também com 60 leitos de UTI, estava com 58 ocupados. Ainda conforme o CRM-PB, os hospitais privados de Campina Grande também estão no limite. A Clínica Santa Clara já está com todos os seus dez leitos de UTI ocupados. Já o Hospital João XXIII, que possui nove leitos de UTI, tinha apenas três disponíveis.

“Temos que encarar a pandemia como um problema coletivo, de nós todos, não apenas dos gestores e dos profissionais de saúde. Todos têm que contribuir fazendo a sua parte, senão não conseguiremos ter êxito. Os médicos estão exaustos, com esgotamento físico e mental e, mesmo assim, continuam trabalhando com coragem e determinação. Estamos vendo que as vagas nos hospitais são insuficientes para a crescente demanda, então é preciso reforçar mais uma vez as medidas sanitárias: uso correto da máscara, higienização das mãos e distanciamento social”, ressaltou o presidente do CRM-PB, Roberto Magliano de Morais.

Portal Correio