Vereador de Pocinhos, Memel Chaves, lamenta o veto da sua emenda em prol dos profissionais da educação:“Dinheiro tem de sobra, o que falta é sensibilidade por parte da gestão”

O representante do legislativo municipal também disse que no ano de 2021, o município recebeu cerca de R$ 5 milhões a mais que em 2020 e diz que tem dinheiro sobrando na conta.

Publicado: 12/01/2022

Vereador Ramatis Chaves, O Memel. Foto: Assessoria Câmara de Pocinhos

O vereador e líder da oposição de Pocinhos, Memel Chaves (PROS), anunciou nas suas redes sociais que na última terça-feira,11, sua emenda, quanto ao projeto de lei vindo do executivo, que tinha a intenção de reparar, reconhecer o grande esforço que o magistério teve nos últimos dois anos de pandemia, trabalhos em casa, desgastes físicos, psicológicos, prejuízos em equipamentos pelo excesso de uso, dentre outros, não foi aceita.

Segundo o líder da oposição, não foi surpresa a emenda ser derrubada já na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) composta por três membros (Memel Chaves, Mônica de Nazaré e Batista).

Memel conta que foi voto vencido e os dois vereadores da base governista, consideraram a emenda inconstitucional. Ele diz que se basearam no Regimento Interno, mesmo a emenda estando de acordo com a Lei Orgânica, e a Lei Orgânica se sobressaia sobre o Regimento Interno da Câmara.

“Alguns vereadores falaram em Constituição Federal na sessão de hoje, mas na própria Constituição Federal diz no seu artigo 29 que, … O município reger-se-á por Lei Orgânica”, frisou.

Indignado, o vereador lamentou o veto e deixou sua solidariedade aos funcionários da educação do município, que diferentemente de outros, não receberam os bons abonos vindo do Rateio do FUNDEB como deveriam ter recebido.

“Deixo minha solidariedade aos funcionários da educação do município, uma prefeita que prometeu em campanha mundos e fundos, até 14° salário, hoje dar um abono de apenas míseros mil reais, achando que é muito, onde nós acompanhamos cidades vizinhas como Puxinanã, Esperança, Campina Grande, entre centenas pelo Brasil a fora, deram super abonos, 3 mil, 5 mil, 15 mil reais… dinheiro oriundo do FUNDEB”, disse.

O representante do legislativo municipal também disse que no ano de 2021, o município recebeu cerca de R$ 5 milhões a mais que em 2020 e diz que tem dinheiro sobrando na conta.

“Lembrando que o município recebeu em 2021 cerca de 5 milhões a mais que no ano de 2020, onde hoje ainda tem cerca de 2 milhões sobrando na conta FUNDEB do município”, declarou. E acrescentou: ”dinheiro tem de sobra, o que falta é sensibilidade por parte da gestão”.

Memel Chaves também fez alguns questionamentos e conta que os educadores receberam empréstimos de notebooks e que não foram consultados se queriam o empréstimo do aparelho ou os valores em dinheiro.

Da Redação

COMPARTILHE AGORA

OUTRAS NOTÍCIAS