Dois municípios paraibanos continuam em bandeira laranja em avaliação do Plano Novo Normal

As duas últimas avaliações, 31ª e 32ª, já traziam o mesmo cenário atual dentro do Plano novo Normal

6 de setembro de 2021    [post-views]

João Pessoa permanece na bandeira amarela desde as duas últimas avaliações do Plan Novo Normal da Paraíba. (Foto: Walla Santos)

Dois municípios paraibanos: Cacimba de Areia e Santa Inês continuam com a bandeira laranja de acordo com a 33ª Avaliação do Plano Novo Normal Paraíba, que entrou em vigência nesta segunda-feira (06). Isso indica que 1% se encontra nessa situação. Os demais, 221, estão na bandeira amarela (99%).

As duas últimas avaliações, 31ª e 32ª, já traziam o mesmo cenário atual dentro do Plano novo Normal. A bandeira amarela representa mobilidade reduzida e a laranja, nível de mobilidade restrita. O último boletim da Secretaria de Estado da Saúde (SES-PB) trouxe que uma ocupação de leitos de UTI (adulto, pediátrico e obstétrico) de 20% em todo o Estado. A Região Metropolitana de João Pessoa ficou com 16%, Campina Grande 27% e Sertão 26%.

Conforme a Nota Técnica da SES-PB, nas análises do mês de agosto a média de internações diárias pela Covid-19 foi de 14, sendo que chegou a apresentar 08 internações ao dia, números observados apenas na primeira quinzena de outubro de 2020. Este mês de setembro inicia com média de internações diárias de 17. O documento ainda trouxe os casos da variante Delta confirmados no Estado e a importância de se manter os cuidados. 

“Neste contexto é fundamental destacar a necessidade de máximo empenho de todas as paraibanas e paraibanos no sentido de seguirem usando máscaras com frequência,não se aglomerando, especialmente em ambientes fechados, ou seja, convivendo preferencialmente com seu núcleo familiar básico (pessoas que residem no mesmo domicílio) e com quem trabalha, em rigorosa atenção às medidas de proteção sanitária; além de manter boa higiene das mãos, ambos, gestos de solidariedade em favor da proteção da vida de todos”, consta no documento.

Por Aline Martins