Secretário de Agricultura de Remígio fala sobre ações da pasta, e cobra dos representantes eleitos nas próximas eleições, a solução para a crise hídrica da região

Na ocasião o secretário ainda fez uma leitura sobre o cenário político atual

Publicado: 13/06/2022

FOTO: SE LIGA PB

O secretário de Agricultura da Prefeitura de Remígio, Diego Almeida, em entrevista ao Programa Se Liga PB, na manhã desta segunda-feira (13), falou sobre as ações desenvolvidas através da pasta, e cobrou dos representantes que serão eleitos nas próximas eleições, a solução para a crise hídrica da região.

“Os representantes que forem eleitos agora, tragam essa preocupação e uma solução para essa situação. Não pode ser só uma situação pré-eleitoral “pontuou.

Ele comentou sobre a construção da Adutora Emergencial que foi prometida para o Brejo, e fez um comparativo entre a duplicação da via asfáltica que vai de Campina Grande a Pocinhos, priorizada pela bancada da Paraíba na Câmara dos Deputados e no Senado, e a construção da adutora. Segundo ele, a construção da adutora é um terço do valor de investimento na duplicação, e mesmo assim ainda não saiu do papel.

“O asfaltamento é importante, mas em questão de prioridade, no meu entendimento, seria abastecer as casas das pessoas, e infelizmente a condução que temos acompanhado é de inversão das prioridades”, disse.

Diego explicou que a questão da água tem sido uma das prioridades da Secretaria, sendo construído no município mais de 180 reservatórios de água, e com as chuvas deste ano, se encontram todos cheios.

O secretário ainda falou sobre a produção do Algodão Agroecológico, e disse que todo o produto é exportado para fora do país, tendo um impacto econômico muito positivo para os produtores e para o município.

Na ocasião o secretário ainda fez uma leitura sobre o cenário político, e destacou a necessidade de um governo que tenha mais atenção com a cidade e com a região. Diego disse que a decisão do prefeito de Remígio, André Alves, em não votar no governador João Azevêdo é uma decisão acertada.

“A indicação do prefeito de não votar em João Azevêdo também é assertiva, temos que pensar na população. Não temos nada de efetivo por parte do Governo do Estado”, frisou.

Ele ainda pontuou o trabalho voltado ao corte de terras, dentre outras ações que beneficiam os agricultores de Remígio.

Redação

COMPARTILHE AGORA

OUTRAS NOTÍCIAS