Assembleia vai debater inserção do jovem no mercado de trabalho e saúde mental da juventude

A Paraíba tem mais de um milhão de pessoas que se enquadram dentro da faixa etária de 15 a 29 anos, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica (IBGE).

Publicado: 27/04/2022

Foto: Reprodução

A Paraíba tem mais de um milhão de pessoas que se enquadram dentro da faixa etária de 15 a 29 anos, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica (IBGE). Pensando em solução para problemas vivenciados por essa parcela da população, a Assembleia Legislativa da Paraíba vai debater inserção do jovem no mercado de trabalho e saúde mental da juventude durante duas sessões especiais. As proposituras, de autoria da deputada Rafaela Camaraense (PSB), foram aprovadas nesta quarta-feira (27) pelos deputados, por unanimidade. As datas das sessões ainda serão definidas em conjunto com a Secretaria Legislativa da Casa.

Uma das sessões vai debater temáticas como qualificação, mercado de trabalho, educação e qualificação. “Estamos acompanhando problemas de ordem emocional, aumento da violência dentro e fora de casa, evasão escolar, abandono de sonhos para o ingresso precoce no mercado de trabalho com o objetivo de contribuir com a renda familiar. Temos que cuidar do nosso futuro e vamos debater essas temáticas e ajudar a encontrar soluções para tantos desafios”, disse Rafaela Camaraense.

A outra sessão especial vai debater a saúde mental da juventude. a deputada lembra que levantamento realizado pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) aponta que um em cada sete jovens pode sofrer transtorno mental por causa da pandemia. “Somos uma sociedade centrada no adulto, que não dar a atenção devida aos jovens. Precisamos ouvi-los de forma mais empática e sem julgamentos. É importante tratar o assunto com a seriedade que merece, pois não é preguiça e nem frescura, é um problema grave, que coloca em risco a vida de pessoas”, disse.

Rafaela Camaraense afirma que as novas gerações poderão sentir o impacto da pandemia por anos. Isso porque os jovens tiveram que ficar longe do ambiente escolar, dos amigos e até de pessoas da família por muito tempo, elementos considerados fundamentais durante esse período de vida. “Muitos perderam pais, avós, parentes, amigos e conhecidos. Isso abala a cabeça de qualquer uma, ainda mais de um jovem que se encontra em formação”, disse.

Assessoria

COMPARTILHE AGORA

OUTRAS NOTÍCIAS