Pesquisar
Pesquisar
Close this search box.

Justiça suspende audiência do padre Egídio após pedido da defesa e juiz marca nova data

Justiça realizou primeira audiência de instrução nesta segunda-feira. No total, sete pessoas foram ouvidas.

Publicado: 21/05/2024

FOTO: REPRODUÇÃO

A Justiça suspendeu, nesta segunda-feira (20), a audiência de instrução do padre Egídio de Carvalho, apontado como cabeça de um esquema criminoso de desvio de recursos públicos do Hospital Padre Zé. A suspensão determinada pela Justiça aconteceu após um pedido da defesa do religioso. A audiência será retomada no dia 13 de junho.

A audiência foi presidida pelo juiz titular da 4ª Vara Criminal da Comarca de João Pessoa, José Guedes Cavalcanti Neto. Durante a sessão, foram ouvidos seis testemunhas de defesa do padre e uma da denúncia.

De acordo com a assessoria de comunicação do Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB), a defesa do padre insistiu que o juiz ouça as testemunhas de defesa que não puderam comparecer nesta segunda. Esse foi o principal motivo para a suspensão da audiência.

“Foi ouvida a testemunha da denúncia, bem como seis testemunhas dos réus. A audiência foi suspensa porque a defesa de Egídio insistiu no depoimento das testemunhas faltosas. Por isso, os réus ainda não foram interrogados hoje. O ato foi redesignado para o dia 13 de junho. Nesse dia, serão ouvidas as testemunhas de defesa que serão indicadas, bem como serão interrogados os réus”, informou a assessoria do Tribunal de Justiça.

Padre Egídio e os desvios analisados pela Justiça

A prisão de Padre Egídio ocorreu após operação do Gaeco, em 17 de novembro de 2023, por meio da operação ‘Indignus’, realizada de forma conjunta entre o Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado –(Gaeco) do Ministério Público do Estado da Paraíba (MPPB), Polícia Militar da Paraíba e pela Polícia Civil da Paraíba.

A operação teve como objetivo apurar os fatos que indicam possíveis condutas criminosas ocorridas no âmbito do Instituto São José, do Hospital Padre Zé e da Ação Social Arquidiocesana (ASA).

Segundo as investigações, há indícios de desvios de recursos públicos destinados a fins específicos, por meio da falsificação de documentos e pagamento de propinas a funcionários vinculados às referidas entidades.

Ao longo de pouco mais de 10 anos, os desvios no Hospital Padre Zé e na ASA teriam chegado a mais de R$ 140 milhões, conforme aponta até o momento as investigações da força-tarefa.

O suposto esquema montado pelo padre Egídio teria bancado desde vinhos no valor de R$ 1,500 à imóveis de luxo na beira-mar de João Pessoa.

Fonte: ClickPB

COMPARTILHE AGORA

OUTRAS NOTÍCIAS